Sem investimento em ciência e industrialização, Brasil seguirá estagnado

Data da postagem: 05/09/2022


Cientistas apontam que o Brasil “está ficando para trás”, com investimentos em pesquisa e desenvolvimento de apenas 1% do PIB

Por Redação RBA

Publicado 04/09/2022 - 14h30

Arquivo/EBC


"Estamos em um país que tem um déficit de R$ 20 bilhões em propriedade intelectual e que não quer gastar R$ 4 bilhões para a Ciência"


São Paulo – “O Brasil seguirá como um país estagnado se não investir em pesquisa e desenvolvimento.” A sentença é resultado do debate “Contagem Regressiva para o Bicentenário: Rumos à Independência“. O evento foi realizado nesta semana, a partir de iniciativa da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Especialistas apresentaram um cenário desolador para o país, em que os próximos governantes precisarão reconstruir uma política industrial e de pesquisa, sob pena de afundar o Brasil ainda mais no subdesenvolvimento.

O professor do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Fernando Sarti, o físico da Unicamp Marcelo Knobel e o membro da comissão regional da SBPC de São Paulo Sávio Cavalcante discutiram o tema. A partir da exposição de dados, os especialistas argumentaram que “não há um processo de desindustrialização no mundo, ao contrário. O que mudou foi a forma de produzir, consumir e informar globalmente, e isso tem impacto direto em Pesquisa e Desenvolvimento. E o Brasil está ficando para trás.”


Sarti apontou que “a China tem a liderança absoluta como maior produtor global, tendo 4,4 bilhões de dólares em Valor Agregado Industrial em 2021. Atrás dela estão os Estados Unidos, o Japão e a Alemanha. Mas se somarmos os valores dos três, eles não chegam no nível da China. E essas regiões representam mais de 80% de toda a produção de bens de média e alta intensidade tecnológica”. Enquanto isso, o Brasil ocupa a 15ª posição neste ranking. Já no campo da Competitividade Industrial (CIP), o Brasil caiu, em 30 anos, do 26º lugar para o 42º lugar.

Investir em conhecimento

A estagnação tem relação com a drástica redução recente do investimento do setor, argumenta o cientista. “Enquanto todas as demais economias de média renda atuam de forma absolutamente exponencial neste setor, os investimentos do Brasil seguem estagnados em 1% do PIB (…) Com o passar dos anos, houve uma complexidade maior do ponto de vista tecnológico na estrutura de produção e de exportação. Só que aqui no Brasil a gente vê um movimento inverso, nós temos um downgrade“, aponta.


“Estamos em um país que tem um déficit de R$ 20 bilhões em propriedade intelectual e que não quer gastar R$ 4 bilhões para a Ciência. Nós precisamos de um esquema de Ciência, Tecnologia e Inovação dinâmico e robusto, porque não se pode pensar em investimentos para a CT&I sem continuidade, que é o que o País está fazendo hoje”, prosseguiu Sarti.

Knobel, por sua vez, completou a exposição do professor: “Nós precisamos ter produtos com base tecnológica e investir em conhecimento, senão o país vai ficar para trás, não tem escapatória. O mundo segue avançando e nós estamos nos movendo para perdermos a soberania nacional”.

Por Rede Brasil Atual